• Rio de Janeiro/RJ: (21) 3439-8999
  • Londrina/PR: (43) 3323-8744
Compartilhe:

Nutrologia: A Verdade Sobre o Glúten

O mal do século XXI não é o câncer nem as doenças cardíacas, e sim a compulsão por carboidratos, principalmente o trigo, centeio, cevada e outros cereais que contém glúten. Nossa cultura está impregnada de crenças a favor do consumo de cereais. Atualmente são plantados e consumidos mais de 600 milhões de toneladas de trigo, o que faz dele o produto agrícola mais comumente consumido no mundo, junto com o centeio e a cevada.

 

A ingestão de alimentos com glúten faz o sistema imunológico reagir patologicamente a está proteína, o que leva as pessoas a muitas doenças crônicas silenciosas levando a sintomas e sinais como baixa estatura, dores de cabeça, insônia, fadiga crônica, anemia, falta de atenção, problemas de memória, perda do foco, problemas gastrointestinais e doenças como depressão, doenças autoimunes, doenças intestinais inflamatórias, dermatite herpetiforme, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDHA), autismo, esquizofrenia, transtornos neuropsiquiátricos, câncer, diabetes, doenças da tireoide, Lúpus eritematoso, esclerose múltipla, etc.

 

Mas o que é o glúten? 

O glúten é uma proteína presente em cereais como trigo (gliadinas), aveia (aveninas), centeio (secalinas), cevada (herdeínas), malte, triticale, esperta, kamut e outras fontes não seguras como a dextrose, maltodextrose, polidextrose, amido de trigo (colocado em remédios), as siglas PVT (proteína vegetal texturizada), PPT (proteína da planta texturizada), PVH (proteína vegetal hidrolisada), PPH (proteína da planta hidrolisada) e GMS (glutamato monossódico). É proteína composta pelas gliadinas e as gluteninas que em presença de água e agitação formam o glúten.

 

 

Gluten anti.jpg

 

 

O vídeo abaixo do Dr. Lair Ribeiro, cardiologista e nutrólogo, explica o que é o glúten e como ele afeta a saúde:

 

 

 

 

 

 

O cultivo de cereais e a agricultura foi introduzido pelo ser humano há mais ou menos 10.000 anos atrás, mas a humanidade habita o planeta há pelo menos 2 milhões de anos como caçadores-coletores ou seja, não se alimentando de grão de cereais. Não houve portanto tempo evolutivo para o organismo humano se adaptar ao consumo de cereais. Nosso organismo ainda é sensibilizado geneticamente ao glúten o que causa vários distúrbios à saúde. 

 

A natureza seleciona características nos organismos que permitem se adaptar e sobreviver melhor ao meio em que vivem tempo suficiente para reproduzir, ou seja, a seleção natural é feita antes da idade reprodutiva do indivíduo. No entanto não é o que acontece em relação ao glúten, o impacto de consumir cereais ocorre bem depois da idade reprodutiva, muitas vezes na meia-idade, passando geneticamente a característica de sensibilidade ao glúten. Está herança genética está presente de várias formas com marcadores de HLA-DQ2, HLA-DQ8, HLA-B8 e outras sensibilidades ao glúten como a Doença Celíaca, Sensibilidade ao Glúten não Celíaca e alergia alimentar ao glúten.  

 

Outra questão de grande importância é a modificação pela engenharia genética na agricultura nos últimos 50 anos nos cereais, houve um aumento de 400% de glúten para ser mais resistente à pragas, durar mais tempo e melhorar as característica para assar como a resistência ao calor, elasticidade e uma aparência mais atraente.

 

Assista ao vídeo abaixo e entenda como o glúten afeta a saúde:

 

 

 

 

 

Todas estas mudanças geram um impacto muito grande na saúde humana. Como os diversos tipos de sensibilidades ao glúten:

Doença Celíaca Clássica: 

Os sintomas principais são letargia, aparência pálida, diarréia, gases excessivos, dores abdominais, sinais de má nutrição, febre, estômago inchado, fezes com muco, sangue e malcheirosas e anemia crônica. Mesmo sendo muito bem conhecidos os sinais e sintomas o diagnóstico preciso leva em torno de 11 anos nos Estados Unidos e no Canadá (que são referências mundiais). Isto ocorre por uma crença equivocada de que a Doença Celíaca é muito rara.

Doença Celíaca Atípica:

Aparece só um sintoma ou sintomas que não parecem estar ligados a ela, como problemas pulmonares, artrite reumatoide, dores de cabeça, depressão, anemia crônica, anormalidades hormonais, miastenia gravis, artrite reumatoide, asma, ataxia, autismo, azia, câncer, colite ulcerativa, desorientação mental, problemas de memória, baixa estatura, deficiências vitaminas e minerais, TDHA, ansiedade, agressividade, esquizofrenia, impulsividade, inquietação, impaciência, irritabilidade, refluxo, síndrome do intestino irritável, aftas, doenças da tireoide, doenças hepáticas, doença renal, urticária crônica, rinite crônica, lúpus eritematoso, dor nos ossos ("dor do crescimento"), osteopenia, dermatite herpetiforme, psoríase, fadiga crônica, micose fungoide, vitiligo.

Doença Celíca Silenciosa ou Assintomática:

Danos intestinais ocorrem há anos mais não apresentam sintomas. Normalmente somente quando há o agravamento da doença é que aparecem os sintomas graves como um câncer, enfermidades crônicas, doenças neurológicas.

Doença Celíaca Latente:

O exame de sangue é positivo, mas a biópsia é negativa. Não há lesão intestinal inicialmente, depois de alguns anos a doença se mostra. Comum em parentes de primeiro grau de celíacos e diabéticos. A biópsia inicial é negativa só ficando positiva de 6 meses a 3 anos mais tarde.

Sensibilidade não Celíaca ao Glúten:

Está é a mais difícil o diagnostico de todas as doenças geradas pelo consumo do glúten, porque o indivíduo tem lesão no intestino com vazamento das proteínas e toxinas alimentares no sangue, mas não apresentam lesões nas vilosidades intestinais. Há o aumento das células imunológicas intestinais. O indivíduo é portador da sensibilidade não celíaca ao glúten, mas acaba não sendo tratado.

Dermatite Herpetiforme (Doença de Duhring):

É uma doença de pele crônica provocada pela sensibilidade ao glúten. São lesões em forma de erupções ou semelhante a várias espinhas pequenas e aparece principalmente atrás dos joelhos, nádegas, cotovelos e rosto.

 

Para entender melhor sobre o que o glúten gera no ser humano segue abaixo o vídeo do Dr. Tom O'Bryan, especialista internacional e referência nos Estados Unidos em alergias alimentares, complicações não celíacas à sensibilidade ao glúten e doença celíaca. 

 

 

 

 

 

Um dos sintomas mais frequentes a sensibilidade ao glúten e na doença celíaca é a Hipermeabilidade do Intestino (Leaky Gut Syndrome) que se caracteriza pela irritação e inflamação do epitélio do intestino delgado com porosidade da parede intestinal além do normal permitindo a passagem para a corrente sanguínea de substâncias (proteínas alimentares inteiras, toxinas, bactérias, fungos, parasitas, etc) que normalmente seriam excretadas nas fezes. Está condição compromete todo sistema imunológico que fica em alerta e identifica as cadeias de proteínas como invasoras. Existem no organismo proteínas com cadeias de aminoácidos similares na tireoide e nos tecidos, que são vistos pelo sistema imunológico como invasoras sendo agredidas. Com a permeabilidade intestinal comprometida surgem as doenças autoimune, má nutrição, fadiga, etc.

 

 

LGS.jpg

 

Um estudo realizado em 1999, nos Estados Unidos, pela Universidade do Estado do Colorado, relatou diversos antinutrientes (nutrientes que não são bem digeridos no organismo humano), substâncias psicoativas e outros agentes não relacionados ao glúten descoberto em cereais que podem prejudicar a parede do intestino.

 

Estes peptídeos (proteínas) parcialmente digeridos vindos dos cereais com glúten tem propriedades semelhantes às morfinas, são as gluteomorfinas, criando no cérebro a dependência química pelo glúten com a sensação viciante e prazeirosa provocada pelas exorfinas ("comida que consola" - substâncias similares à heroína, cocaína e morfinas).

 

O maior perigo são os pacientes celíacos ou sensíveis ao glúten não tratados e viciados que sentem-se fora de controle pois apetites anormais é comum em pessoas sensíveis ao glúten. Os viciados em glúten sofrem o mesmo que os celíacos na sensibilização do sistema imunológico aumentando o risco de determinados tipos de câncer. Para total recuperação do sistema imunológico leva-se de 3 a 5 anos depois do abandono do vício do glúten. A ingestão dos opiáceos ensina o organismo a apreciar o vício pelos opiódes.

 

Atualmente os Estados Unidos e o Canadá são os países que estão na frente em relação ao tratamento, pesquisa e exames para detecção de todos os tipos de sensibilidade ao Glúten. Ainda não existe para todos os anticorpos produzidos pelo glúten. A clínica do paciente é muito importante para obter um diagnóstico e tratamento adequado.

Marcadores genéticos HLA-DQ: indicado quando há caso de celíaco na família e quem sofre de tireoidite não autoimune. Busca identificar marcadores genéticos em glóbulos brancos como HLA-DQ2, HLA-DQ8, HLA-B8. 

Biópsia do intestino delgado: suspeita de doença celíaca. É introduzido um tubo pela garganta, estômago chegando ao intestino delgado onde é retirada uma amostra de células da parede do intestino delgado. Este exame segue o chamado "Sistema de Marsh". Com exceção do tipo 0 (tecido saudável), os demais já representam comprometimento do intestino, no entanto para um diagnóstico de doença celíaca precisa-se ter comprometimento de 80% do intestino, ou seja, tipo III b e tipo III c. O que faz com que este exame só dê positivo quando se tem comprometimento de 80 % antes disto o exame é negativo. Por isso a doença celíaca é considerada rara. Muitos celíacos ficam sem diagnóstico.

Um estudo realizado em 1999, nos Estados Unidos, pela Universidade do Estado do Colorado, relatou diversos antinutrientes (nutrientes que não são bem digeridos no organismo humano), substâncias psicoativas e outros agentes não relacionados ao glúten descoberto em cereais que podem prejudicar a parede do intestino.

 

 

intestino.jpg

 

 

 

 

Teste de desafio do glúten: consiste em comer pequenas porções diárias de alimentos ricos em glúten a fim de medir a reação do orgânismo. Mas, se o paciente estiver em uma dieta com restrição ao glúten e a parede intestinal teve  a oportunidade de se recuperar, pode levar cinco anos ou mais até o dano intestinal característico da Doença Celíaca.

Teste de desafio retal: primeiro retira-se uma amostra para biópsia da mucosa retal, coloca-se uma suspensão de glúten e retira-se uma segunda amostra depois de quatro horas da mesma área. Indica a reação imunológica ao glúten. Detecta os casos mais brandos de doença celíaca.

Exame de absorção de açúcar para vazamento intestinal: é indicado para identificar o aumento da permeabilidade intestinal (vazamento intestinal). Consiste no reconhecimento de diversos açucares (dissacarídeos) e  a função de diversas partes do trato gastro intestinal.

Exames de sangue (são vários):

Anticorpo antigliadina - IGG e IGA: visa identificar a classe de anticorpos Igg e Iga.

Anticorpo antiendomísio - EMA: é um tecido de revestimento das fibras  musculares e está presente em mais de 90% dos celíacos que comem glúten. Trata-se de  um problema autoimune pois esses anticorpos atacam o endomínio.

Antitrasglutaminase tecidular - tTG: este exame é o mais recente. A transglutaminase é uma enzima que faz parte do endomísio envolvida por tecido reparador. Existe 3 tipos de tTG: tTG2  ataca o intestino; tTG3 anticorpo ataca a pele; tTG4 anticorpo ataca o cérebro e sistema nervoso.

 

Atualmente os exames mais inovadores e com melhor resultado são EMA, Elisa IGG e IGA e o tTG. Lembrando que dos 51 peptídeos das proteínas do glúten somente os 10 principais são checados. Por tanto, alguns pacientes acabam tendo resultado negativo, mas apresentam sintomas clínicos. O que não pode ser esquecido é que sempre a clínica do paciente é mais importante.

 

Os efeitos nocivos do glúten no organismo deflagra ao longo dos anos muitas doenças crônicas e fatais como câncer, doenças autoimunes, doenças neurológicas, diabetes (tipo I e Tipo II), osteoporose, doenças da tireoide, distúrbios mentais, doenças intestinais, etc.

 

 

Assista o vídeo abaixo com Dr. Mark Hyman, médico americano especialista em Medicina Funcional e Ortomolecular, presidente do Instituto de Medicina Funcional Americano, médico de importantes personalidades americanas como o ex presidente Bill Clinton e da senadora  Hillary Clinton:

 

 

 

 

 

 

 

Um estudo publicado na revista pediátrica Hung feito em crianças que seguem uma dieta sem glúten e laticínios durante o tratamento convencional para câncer mostrou uma redução de enterites (distúrbio que resulta da aplicação com quimioterapia e radioterapia) de 70 % para 0%.

 

Outro estudo mostrou a total remissão do câncer na doença celíaca somados tratamento convencional com uma dieta sem glúten associada a suplementos nutricionais. Comprovando que o glúten é um alimento inflamatório e ajuda a alimentar o tumor cancerígeno.

 

Certos peptídeos ou fragmentos de proteínas presentes no glúten agem como narcótico (morfina), são as gluteomorfinas. Este tipo de opióide liberam exorfinas (exorfinas do glúten). As exorfinas interferem na ação das células exterminadoras (células de defesa contra o câncer) do sistema imunológico, linfócitos T, de duas maneiras: Primeiro, agem diretamente sobre os receptores de opiódes das células exterminadoras destruíndo sua proteção contra o câncer. Segundo, agem na região do cérebro, chamado de eixo hipotalâmico-hipofisário-adrenal (HHA) e desativam a produção das células exterminadoras. 

 

Na diabetes o glúten também intensifica os danos ao organismo. As exorfinas aumentam a produção de insulina. Mas não somente isto, estudos mostram que o glúten pode ser uma das causas principais de diabetes (DMID - Diabetes Melito Insulinodependente -  e na diabetes tipo II). Junto com o aumento da insulina há uma superprodução de prostaglandina da serie E2 que é inibidora metabólica, inflamatória, podendo levar a câncer, alergias e doenças cardiovasculares.

 

Um Estudo recente efeito com ratos suscetíveis DMID (Diabetes Melito Insulinodependente) alimentados com glúten, 40% desenvolveram o diabetes. O outro grupo de ratos suscetíveis DMID com uma dieta sem glúten somente 10 % desenvolveram o diabetes. Concluindo que o glúten é a principal causa do desenvolvimento do diabetes em animais geneticamente predispostos.

 

"Depois da destruição completa das Ilhotas Langerhans do pâncreas produtoras de insulina, a dieta sem glúten não reverte nem estabiliza o DMID (Diabetes Melito Insulinodependente). O dano neurológico provocado por glúten também é comumente irreversível." Dr. James Braly.

 

O fígado também é agredido pelo glúten (doença crônica hepática) normalmente de causa desconhecida com aumento das enzimas hepáticas. Pessoas com hepatite e cirrose biliar costumam ter anticorpos antigliadina circulante no sangue. O que indica a intolerância alimentar ao glúten.

 

Pesquisadores americanos da artrite reumatoide relatam a ocorrência da Doença celíaca cinco vezes maior em pessoas com artrite reumatóide.

 

Um estudo americano feito em 2000, comparou os níveis de anticorpos antigliadina em pacientes com artrite reumatóide no começo da doença com aqueles em estagio avançado. Descobriu-se que 48% dos pacientes que desenvolveram a pouco tempo a artrite reumatóide tinham aumento do anticorpo antigliadina comparado com 25% dos pacientes com artrite reumatóide com atividade reduzida apresentavam anticorpo antigliadina. O estudo mostra que o glúten é um indicador inflamatório das articulações.

 

A dor e o sofrimento na artrite reumatóide impõem o uso contínuo e em doses cada vez maiores de medicações antiinflamatórias levando o paciente à quadros de falência renal, úlceras hemorrágicas, perfuração do intestino, destruição das articulações (após 10 anos de uso continuo) e morte prematura. Uma dieta sem glúten diminui a necessidade de tanta medicação para dor.

 

Um estudo sobre a psoríase incluiu pacientes com sensibilidade não celíaca ao glúten com psoríase. O grupo de 30 pacientes em dieta sem glúten todos apresentaram uma redução significativa da psoríase. Quando voltaram para a alimentação com glúten os sintomas voltaram. O que leva a acreditar que pacientes com psoríase tem sensibilidade ao glúten.

 

Recentemente estudos mostraram que o glúten tem um forte impacto sofre a formação óssea. Ele atua no metabolismo do cálcio mais do que na absorção. O fitado (tipo de fósforo encontrado nas plantas), durante a digestão no estômago, se unem aos mineiras como o cálcio. Está liga é resistente, não sendo absorvido pelo organismo são eliminados. Com isto há o afincamento dos ossos, aumento da fragilidade óssea e propensão as fraturas. Surge a osteopenia, osteomalasia e a osteoporose. 

 

Usar somente suplementos de cálcio não resulta em sucesso nas doenças ósseas. Precisa ser feita uma suplementação completa com vitamina D, magnésio, cálcio, zinco e ferro com um profissional especializado em nutrologia para não aumentar o cálcio no sangue e levar ao desequilíbrio do sistema de minerais dos ossos. 

 

O glúten também age na tireoide e nas paratireoides. O aticorpoandiedomísio apresenta reação cruzada com os tecidos da paratireoide. Resultando em danos profundos a está glândula incapacitando seu metabolismo.

 

Muitos distúrbios mentais e nervosos que podem ser afetados pelo consumo de glúten, como Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDHA), problemas de aprendizagem, alcoolismo, esquizofrenia, epilepsia, autismo, esclerose múltipla (EM), etc.

 

No vídeo abaixo Dr. David Perlmutter, Nutrólogo e Neurologista, fala em entrevista como o grão ataca o cérebro e aumenta a chance de desenvolver doenças neurológicas:

 

 

 

 

 

 

Hoje já se sabe que o cérebro para ser saudável precisa de um intestino saudável. A saúde mental está intimamente ligada a saúde e equilíbrio da microbiota intestinal. Anormalidades que acometem o intestino interferem  no sistema imunológico e nos tecidos. Os anticorpos gerados pelo consumo do glúten atacam os vasos sangüíneos no  cérebro humano.

 

Uma  pesquisa feita pelo Royal Hallaíshire Hospital, na Inglaterra, nos  departamentos de neurologia, gastroenterologia e  histopatologia demostrou que o glúten é um fator presente em diversos distúrbios neurológicos.

 

No Transtorno do Déficit de Atenção e hiperatividade (TDHA) há mudança de humor e distúrbios mentais, dificuldade de concentração, letárgica ao que passa a sua volta, desinteresse, ou hiperatividade, incapaz de manter o foco e atenção exceto quando há um motivo emocional forte para isto. O glúten tem grande influência sobre estes sintomas, a ingesta de alimentos alergenos incluindo o trigo podem causar ondas cerebrais anormais contínuas. Somente, em média, após um ano de exclusão do glúten na dieta estas anormalidades desaparecem.

 

Um estudo feito na Itália, de 2004 a 2008, Dr. Theron Randolph e Joan Matthews Larson, relataram em pesquisa alergias alimentares significativas em 73 dos 100 alcoólatras. Outro estudo relatou que a maioria dos 422 alcoólatras pesquisados tinha intolerância ao trigo ou ao centeio. O consumo de álcool agrava a permeabilidade intestinal levando as intolerância alimentar ao glúten.

 

Um grande momento na medicina foi quando Dr. Dohan, pesquisador e psiquiatra americano, descobriu que a esquizofrenia é encontrada em pessoas com Doença Celíaca e, a Doença Celíaca é frequentemente encontrada na esquizofrenia. Vendo a superposição dos fatos observou-se também que em ambos os casos há um fluxo de sangue reduzido na região do lobo frontal do cérebro. A bioquímica das exorfinas presentes no glúten causa uma compressão e contração dos vasos sanguíneos. 

 

Outro distúrbio neurológico que responde bem a dieta sem glúten é a epilepsia. As convulsões epiléticas fortes estão associadas a depósito de cálcio no cérebro. Pacientes com epilepsia se beneficiam com uma dieta sem glúten. Parando ou diminuindo as crises convulsivas.

 

No autismo a dieta sem glúten e laticínios melhora o contato visual, diminui a hiperatividade, progresso na capacidade verbal e cognitiva, maior sociabilidade. Há fortes evidências de intolerância alimentar medidas por IGG em crianças autistas, assim como os sintomas de infecções de ouvido recorrentes, epilepsia, orelhas vermelhas, apetite incontrolável, vazamento intestinal, problemas digestivos, distúrbios de sono, hiperatividade e fluxo sanguíneo anormal em determinadas áreas do cérebro.

 

Abaixo entrevista no canal Fox com mãe de criança autista. Como o tratamento com alimentação sem glúten e laticínios diminuíram os sintomas do autismo na criança:

 

 

 

 

 

 

Pacientes com autismo, esquizofrenia e depressão tem medição de peptídeos urinários em grande quantidade que podem funcionar como neurotransmissores. O aumento pode ser causado por vazamento intestinal das exorfinas na corrente sanguínea. Estes peptídeos psicoativo são muito pequenos e ignorados pelo sistema imunológico, mas funcionam como potentes neurotransmissores desregulando a bioquímica cerebral.

 

A Esclerose múltipla é uma doença degenerativa do sistema nervoso central caracterizada por ataque do sistema imunológico a bainha de mielina (camada que envolve e protege os nervo como um isolante que permite a passagem do impulso nervoso). Sem a mielina seguem os sintomas neurológicos como fadiga crônica, perda de equilíbrio, incoordenação motora, visão reduzida, crises de paralisia, problemas da bexiga, espasmos musculares, fraqueza, entorpecimento, depressão e alterações cognitivas.  Ao excluir da dieta o glúten e os laticínios o paciente com Esclerose  Múltipla reduz ou elimina totalmente os sintomas.

 

A dieta sem glúten também melhora pacientes com Síndrome do Intestino Irritável (SII). Um estudo feito em Oxford, relatou até 70% de todos os pacientes com Síndrome do Intestino Irritável melhoraram ao excluir da dieta o glúten. Veja tabela do estudo abaixo:

tabela gluten .jpg

 

 

A dieta sem glúten é essencial para todos que sofrem dos males citados acima. No entanto, pesquisas recentes mostram que o ser humano ainda não teve tempo evolutivo suficiente para o organismo se adaptar a mudança alimentar com introdução dos grãos contendo glúten. Trazemos o mesmo marcador genético de nossos ancestrais paleolíticos, HLA-B8, o que leva a um desequilíbrio orgânico podendo gerar doenças.

 

Muitos pensam que a dieta sem glúten é desagradável mas isto é um mito. Feito com um profissional especializado em nutrologia de forma personalizada e direcionada a necessidade de cada paciente a dieta sem glúten é saudável como também agradável e substancial.

 

Os exames de sangue IGG, IGA e tTG devem seguir como rotina médica para diagnóstico de alergia alimentar tardia e sensibilidade ao glúten. No entanto, como ainda não há um exame preciso a clínica do paciente precisa ser analisada minuciosamente, é condição soberana e havendo um resultado positivo o glúten deve ser retirado da dieta e o paciente orientado com uma prescrição alimentar e suplementação adequada, banho de Sol, exercícios físicos, modulação hormonal tudo feito por um profissional médico especializado em nutrologia.

 

Para maiores informações sobre O glúten e Nutrologia entre em contato com a Clínica Higashi pelos telefones (21) 3439-8999  Rio de Janeiro ou (43) 3323-8744 Londrina.

 

Produzido por: Clínica Higashi - Educação e Pesquisa

 

Bibliografia:

 

Addolorato G, Stefanini GF, Capristo E, Caputo F, Gasbarrini A, Gasbarrini G. Anxiety and depression in adult untreated celiac subjects and in patients affected by inflammatory bowel disease: a personality "trait" or a reactive illness? Hepatogastroenterology. 1996 Nov-Dec;43(12):1513-7. PubMed PMID:8975957.

Atkinson MA, Eisenbarth GS. Type 1 diabetes: new perspectives on disease

pathogenesis and treatment. Lancet. 2001 Jul 21;358(9277):221-9. Review. Erratum 

in: Lancet. 2001 Sep 1;358(9283):766. PubMed PMID: 11476858.

Auricchio S, Greco L, Troncone R. Gluten-sensitive enteropathy in childhood.

Pediatr Clin North Am. 1988 Feb;35(1):157-87. Review. PubMed PMID: 3277130.

Catassi C, E Fabiani, Rätsch IM, et ai. O iceberg celíaca em Itália: um estudo multicêntrico antigliadina triagem de anticorpos para a doença celíaca em indivíduos em idade escolar. Acta Paediatr Supl. 1996; 412 :29-35. 

Colquhoun I, Bunday S. A lack of essential fatty acids as a possible cause of 

hyperactivity in children. Med Hypotheses. 1981 May;7(5):673-9. PubMed PMID:

7196985.

Cordain L. Cereal grains: humanity's double-edged sword. World Rev Nutr Diet. 

1999;84:19-73. Review. PubMed PMID: 10489816.

Corvaglia L, Catamo R, Pepe G, Lazzari R, Corvaglia E. Depression in adult untreated celiac subjects: diagnosis by the pediatrician. Am J Gastroenterol. 1999 Mar;94(3):839-43. PubMed PMID: 10086676.

DeWille JW, Fraker PJ, Romsos DR. Effects of essential fatty acid deficiency, and various levels of dietary polyunsaturated fatty acids, on humoral immunity in mice. J Nutr. 1979 Jun;109(6):1018-27. PubMed PMID: 312923.

Hadjivassiliou M, Gibson A, Davies GA-Jones, et al. A sensibilidade ao glúten enigmática desempenhar um papel na doença neurológica? Lancet. 1996; 347 (8998) :369-371

Hadjivassiliou M, R Grunewald, Cbattopadhya A, et al. Clínica, radiológica e características neuropatológicas de glúten ataxia. Lancet. 1.998; 352 :1582-1585.

Hadjivassiliou, M, R A Grünewald, and G A B Davies-Jones. "Gluten Sensitivity: A Many Headed Hydra?: Heightened Responsiveness to Gluten Is Not Confined to the Gut ." BMJ?: British Medical Journal 318.7200 (1999): 1710-1711.

Hadjivassiliou M, Grünewald RA, Lawden M, Davies-Jones GA, Powell T, Smith CM."Headache and CNS white matter abnormalities associated with gluten sensitivity." Neurology. 2001 Feb 13;56(3):385-8. PubMed PMID: 11171906.

Hadjivassiliou, M et al. "Does cryptic gluten sensitivity play a part in neurological illness?" The Lancet , Volume 347 , Issue 8998 , 369 - 371.

Helmut Niederhofer, MD, PhD

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3184556/?tool=pubmed 

Hoggan, R. Application of the exorphin hypothesis to attention deficit disorder: A theoretical framework. M.A. thesis, Universidade de Calgary, GDER, Calgary, Canadá, 1998.

Knivsberg AM. Padrões de urina, os níveis de peptídeos e IgA / IgG anticorpos para proteínas alimentares em crianças com dislexia. Pediatr. Rehabil 1997; 1 . (1) :25-33 

Knivsberg AM. "Urine patterns, peptide levels and IgA/IgG antibodies to food proteins in children with dyslexia."" Pediatr Rehabil. 1997 Jan-Mar;1(1):25-33. PubMed PMID: 9689235.

Kozlowska ZE. [Evaluation of mental status of children with malabsorption syndrome after long-term treatment with gluten-free diet (preliminary report)]. Psychiatr Pol. 1991 Mar-Apr;25(2):130-4. Polish. PubMed PMID: 1821957.

 

Luzi L, Perseghin G, Brendel MD, Terruzzi I, Battezza

Palacio A, Tamariz L, Berger J, Patarca R. Enteropathy-associated T-cell lymphoma and its immunocarcinogenic correlates: case report and review of the literature. Crit Rev Oncog. 1998;9(1):63-81. Review. PubMed PMID: 9754448.

Rath, M, and L Pauling. "Immunological Evidence for the Accumulation of Lipoprotein(a) in the Atherosclerotic Lesion of the Hypoascorbemic Guinea Pig." Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America 87.23 (1990): 9388-9390. 

Sánchez D, Tucková L, Sebo P, Michalak M, Whelan A, Sterzl I, Jelínková L, Havrdová E, Imramovská M, Benes Z, Krupicková S, Tlaskalová-Hogenová H.Occurrence of IgA and IgG autoantibodies to calreticulin in coeliac disease and various autoimmune diseases. J Autoimmun. 2000 Dec;15(4):441-9. PubMed PMID:

11090243.

Schreinemachers, D M. "Cancer Mortality in Four Northern Wheat-Producing States." Environmental Health Perspectives 108.9 (2000): 873-881

Singh MM, Kay SR. Wheat gluten as a pathogenic factor in schizophrenia.Science. 1976 Jan 30;191(4225):401-2. PubMed PMID: 1246624.

Singh MM, Kay SR. Wheat gluten as a pathogenic factor in schizophrenia.

Science. 1976 Jan 30;191(4225):401-2. PubMed PMID: 1246624.

Trygstad OE, Reichelt KL, Foss I, Edminson PD, Saelid G, Bremer J, Hole K, Orbeck H, Johansen JH, Bøler JB, Titlestad K, Opstad PK. Patterns of peptides and protein-associated-peptide complexes in psychiatric disorders. Br J Psychiatry.

1980 Jan;136:59-72. PubMed PMID: 7357223.

Yacyshyn B, Meddings J, Sadowski D, Bowen-Yacyshyn MB. Multiple sclerosis patients have peripheral blood CD45RO+ B cells and increased intestinal permeability. Dig Dis Sci. 1996 Dec;41(12):2493-8. PubMed PMID: 9011463.

Zioudrou C, Streaty RA, Klee WA. Opioid peptides derived from food proteins. The exorphins. J Biol Chem. 1979 Apr 10;254(7):2446-9. PubMed PMID: 372181.