• Rio de Janeiro/RJ: (21) 3439-8999
  • Londrina/PR: (43) 3323-8744
Compartilhe:

Avaliação e Tratamento Médico do Estresse

Estudos de Selye

Dr. "HansSelye (1907 a 1982), nascido na Austria foi o primeiro a demonstrar em 1936  fatores biológicos relacionado ao estresse a qual foi denominado como Síndrome Adaptativa Geral do estresse , os seja, fatores externos poderiam alterar a homeostase ( equilíbrio) do organismo, ele demonstrou a reposta neurohormonal ao estresse conhecido como resposta fight or flight (luta ou fuga).

 

Existem 3 fases do estresse conhecido como Síndrome Adptativa Geral:

 

  1. Fase alerta: é a reação normal ao estresse, por exemplo, sua casa começa a pegar fogo o cérebro estímulo as glândulas adrenais a liberar hormônios do stress como a  adrenalina e o cortisol, estes hormônios lhe deixam aptos a ter maior energia pois aumentam a glicemia, aumentam o fluxo de sangue para os órgãos como cérebro, rins, coração e músculo para vc conseguir correr e escapar do perigo, após o período de fuga o organismo normal tende a voltar ao estágio prévio ao stress, ou seja, a adrenalina e ou cortisol diminuem e a pressão também diminui.
  2. Fase de Resistência: nesta fase o indivíduo começa a se  recuperar da resposta aguda do organismo ao estresse ( fase de alerta), o nível sanguíneo do hormônio do stress como cortisol e adrenalina devem baixar, entretanto, o organismo permanece  ainda com a resposta neurohormonal ao stress, a tendência natural quando não existe outro estímulo estressante seria o organismo voltar ao nível normal , porém quando existem o estresse crônico o organismo não consegue equilibrar seu organismo ao estágio sem stress, com isso, o indivíduo começa a apresentar desconforto físico e mental e podem surgir doenças como diabetes, hipertensão, gastrite e herpes simples.
  3. Exaustão : Esta é fase mais crítica, esta fase se desenvolve porque o organismo permaneceu em estado de estresse durante tempo suficiente para entrar em esgotamento, o organismo não consegue ter resposta neurohornonal a simples problemas do dia a dia, ou seja, mesmo um pequeno problema o indivíduo não consegue resolver , pois não consegue ter energia e equilíbrio mental. Durante esta fase o organismo  pode ter depressão, diminuição da produtividade, apatia, grande irritabilidade, angustia, perda do humor, diarreias frequentes, dificuldades sexuais, formigamentos nas extremidades, insônia, tique nervoso, ulcera, pesadelos, hipertensão arterial e ou hipotensão arterial (alteração autonômica) , crises alérgicas, mudança extrema de apetite e taquicardia.  

fases do estresse.png

 

Fisiopatologia hormonal do estresse:

Suas glândulas adrenais localizam-se acima dos rins e secretam hormônios importantes: cortisol, adrenalina e dehidroepiandrosterona (DHEA). Esses hormônios ajudam a amortecer o estresse e se adaptar às exigências da vida cotidiana através da determinação da resposta ao estresse.

 

Sob estresse, as glândulas supra-renais saudáveis aumentam a sua produção de cortisol e DHEA para que você possa preservar a saúde. Eles também secretam adrenalina, dando-lhe um impulso de energia quando necessário, no entanto, se isso se tornar crônico, as glândulas supra-renais já não podem manter com a demanda, e os níveis de DHEA começam a cair, significando esgotamento adrenal. Além disso, a excessiva  onda de adrenalina pode causar sensação de ansiedade e nervosismo. As queixas de insônia, fadiga, depressão, irritabilidade e dificuldades digestivas também são comuns. Com a adrenalina que surge durante o estresse, as enzimas digestivas são simultaneamente reduzidas, e os níveis de açúcar no sangue tendem a subir. Com o tempo altos níveis de cortisol e adrenalina do estresse prolongado resultam em  :

 

  • Função imunológica diminuída
  • Esgotamento de cortisol, resultando em hipoglicemias
  • Alteração do sono
  • Aumento dos níveis de lipídios (gordura) no sangue
  • Retenção de água
  • Perda de potássio celular, um mineral muito importante
  • Reduz a sensibilidade à insulina, com uma maior suscetibilidade para diabetes
  • A perda da capacidade para produzir DHEA suficiente.

 

 

 

  

 

 

 

Funções do hormônio cortisol:

Converte proteínas em energia, aumentando aminoácidos na corrente sanguínea;

Estimula o fígado para converter aminoácidos em glicose, necessários para a energia

Controla a inflamação e alergia

Ajuda a manter a pressão arterial

Da suporte a reação do organismo a situação de estresse

 

Funções do hormônio DHEA:

Precursora de testosterona e estrogênio

Melhora a resistência a vírus, bactérias, parasitas, alergias e cancro

Ajuda na prevenção da osteoporose

Reduz o colesterol total e LDL

Aumenta a massa muscular e diminui a gordura corporal

 

Restabelecimento dos Níveis do Estresse:

A dieta deve evitar açúcares refinados, cafeína e álcool e deve incluir várias pequenas refeições que contenham proteínas.

Determinar alimentos que tem alergia ou intolerância e evitá-los.

Ginseng e /ou chá de alcaçuz pode ajudar

Quantidade adequada de vitamina C é importante.

Obter sono adequado e ir para a cama por volta das 22:00 h

Use técnicas de gerenciamento de stress.

Lidar com as emoções, se necessário com o riso, respiração, e / ou ajuda profissional.

Envolver-se em exercício leve.

Obter luz ao ar livre diariamente.

 

 

Exemplo de curva típica de cortisol ao longo do dia.

                                                          10:000 h                   11:00h                  15:00h                                     22:00 h

curva do cortisol.jpg

 

Mais informações sobre avaliação e tratamento do estresse tel: 21-34398999 ( Clínica Higashi Rio de Janeiro) ou 43-33238744 ( Clínica Higashi Londrina).

 

Produzido por: Clínica Higashi - Educação e Pesquisa