• Rio de Janeiro/RJ: (21) 3439-8999
  • Londrina/PR: (43) 3323-8744
Compartilhe:

Teste de Ácidos Orgânicos - avaliação metabólica para os transtornos crônicos

   Importância do teste de Ácidos Orgânicos 
 

As moléculas de ácidos orgânicos na urina representam a atividade celular humana, a digestão de alimentos e os ciclos  de vida da flora bacteriana gastrointestinal, assim o teste de ácidos orgânicos na urina utiliza sub produtos eliminados na urina para proporcionar um panorama metabólico do   corpo. Estes ácidos orgânicos podem ser tóxicos em certos níveis ou podem ser simplesmente indicadores de funções metabólicas. Dependendo do laboratório que se solicita o teste dos ácidos orgânicos eles podem indicar também a proliferação de leveduras  e bactérias que geralmente não são detectadas pelos testes convencionais, por isso os metabolitos de leveduras ou de bactérias  intestinais são comparados com os metabolitos normais, com isso se consegue uma avaliação imediata da atividade bacteriana e leveduras, as quais podem produzir  ou exacerbar os sintomas de várias  condições patológicas.

 

Objetivo da avaliação do teste de Ácidos Orgânicos:

  • Avaliar a produção de energia
  • Avaliar a função do sistema nervoso central
  • Avaliar a integridade da parede intestinal
  • Revelam elevados níveis de GI leveduras e bactérias
  • Detectar deficiências nutricionais e antioxidantes
  • Determinar problemas no metabolismo do ácido gordo
  • Identificar o excesso de oxalato


Alguns parâmetros que o teste dos àcidos orgânicos podem indicar incluem a digestão dos carboidratos , a função mitocontrial  dos  carboidratos, a função mitocondrial de energia celular e vitamínicos  , metabólicos de   neurotransmissores , anormalidades   de oxidação dos ácidos graxos ou ketosis, níveis de oxalatos e erros inatos  do metabolismo que podem ser detectados com a tecnologia GC/MS (cromotografia  de gasosa e espectrometria de massa) tais como fenilcetonuria entre outras, além disso verificamos  outras anormalidades tais como deficiências vitamínicas e metabolismo anormal das catecolaminas como dopamina e serotonina no total são avaliados 65 substâncias.

 

acidos organicos.jpg

 


Algumas das anormalidades bioquímicas comuns no autismo por exemplo são o uracil e o ácido glutárico elevado. Quando a anormalidade é descoberta e corrigida aumenta-se uma variedade de opções de tratamento para  corrigir o problema, assim entre algumas melhorias que podem ocorrer é a melhora da fadiga, defecação regular, energia, alerta, maior concentração, melhor contato visual, melhor expressão verbal, menos hiperatividade, e melhora dos padrões de sono e dor de estômago.

O teste de ácidos orgânicos do laboratório Great Plains, contém a avaliação de leveduras e bactérias intestinais completa, pois estes são elementos importante nos transtornos que envolvem o sistema neurológico e gastrintestinais. Estes microorganismo podem causar ou piorar os transtornos comportamentais como hiperatividade, transtornos motores e afetar os níveis de energia e função  imune por exemplo:  as leveduras se aderem  a parede  intestinal originando síndrome  do intestino permeável, e assim produzem alergias alimentares, obstruem a absorção das vitaminas e minerais, causando também transtornos intestinais.

 

Entre os fatores que podem causar a proliferação das leveduras intestinais mencionamos o uso dos antibióticos, açúcar excessivo,  deficiências imunes  combinado aos fatores genéticos, o tratamento incluem produtos antifúngicos, antibacterianos, suplementação de probióticos, vitaminas, antixoxidantes e modificações  da dieta .

            Alguns elementos avaliados no teste de Àcidos Òrgânicos  e seu significado:
 

  • Produtos derivados das leveduras e fungos 
  • Àcido citrimálico -  Seus altos níveis indicam uma elevação das leveduras gastrintestinais
  • Àcido tartárico  - Indicador de leveduras, seus níveis altos podem afetar as funções musculares e renais.
  • Arabinosa - Metabólico da cândida intestinal indicador de super crescimento recente.
  • Produto derivado das Bactérias HPHPA - Derivado da bacteria clostridia, a qual pode causar infecção de difícil controle, psicose, constipação severa, associado a depressão e transtornos motores. Seus níveis muito elevados são comuns no autismo, nas epilepsias, na síndrome de Tourette, fibromialgia e na fadiga crônica .
  • O ciclo de Krebs  - Indicador da produção de energia. 
  • Ácido succínico - Indicador de deficiência de vitamina riboflavina   ou de coenzima - Q10, este defeito esta associado a doenças genéticas raras  ou elevação de bactérias gastrintestinais .
  • Àcido 2 -Oxoglutarico - Indicador de deficiência de vitamina B. Seus níveis extremamente  baixos são comuns na fadiga crônica .
  • Ácidos Aconítico e cítrico  - Indicador de deficiências de antioxidantes e de necessidades de suplementação de glutation .
  • Neurotransmissores - HVA,VMA - Seus níveis elevados podem indicar tumores como neuroblastoma ,gamglioneuroma ,etc.

Requisitos espécime

 

10 mL de primeira urina da manhã antes de comer ou beber é sugerido. Paciente deve evitar maçãs, uvas (incluindo uvas passas), peras, cranberries e seus sucos 24 horas antes da coleta da amostra.

 



 

 INDICADORES DO METABOLISMO DOS NEUROTRASMISSORES 



Neurotransmissores.png
 

O diagrama mostra os níveis dos metabolitos os neurotransmissores do paciente assim como seu efeito nas vias metabólicas do axônio terminal  dos neurônios .Também mostra como sub produtos microbianos bloqueiam a conversão de dopamina em noradrenalina .

INTERPRETAÇÃO:
Leveduras /Metabolitos  de fungos elevados indicam uma proliferação de fungos ou leveduras no trato gastrointestinal. A prescrição de antifúngicos naturais (botânicos ),acompanhado de suplementação de probióticos  de alta potência (20-50 bilhões de UFCs ), podem ajudar a reduzir os níveis de leveduras /fungos .

Acido  tricarbalílico elevado poderia ser causado pelo consumo de milho ou de de alimentos contendo milho  contaminado com fumosinas que é um grupo de micotoxinas produzidas principalmente por F.verticiloides  e por outras espécies relacionadas. As fumisinas liberam o ácido tricarballico  durante  o seu passagem pelo trato gastrointestinal e certas condições nos processos de alimentares. O àcido tricarbalilico é um inibidor da enzima acotinase  e portanto interfere o funcionamento do ciclo de Kreb . Os sintomas principais da deficiência de acotinase são a miopatia e a intolerância ao exercício .O àcido  tricarbalílico  pode também pode também funcionar como quelador de magnésio e é um metabolito de um composto de uma substância contida pelo amido processado industrialmente pelo ácido  octensilsuccinico e por várias formulas infantis entre elas nutramigem ,vivonex e pregestemil. Além disso, é um subproduto do refinamento do açúcar de beterraba e do açúcar  de bordo e poderia aparecer após a ingestão desses produtos. As síndromes clinicas causadas pelas mitocoxinas intactas são raras e se caracterizam pela dor abdominal  e pela diarreia .Também foi sugerido que as fumonisinas tinham um papel  especifico no desenvolvimento de  defeitos  nos tubos  neurais  após a aparição de vários casos desse defeito no texas após o consumo de milho altamente contaminado com fumonisinas na recolha  de 1989, outros estudos recentes mostraram que a fumosina B1 inibi  o metabolismo  do folato  em células cultivadas .

Àcido oxálico elevado com ou sem ácidos glicérico ou glicólico elevados pode ser associado com hiperoxalúrias genéticas ,autismo ,mulheres com dor vulvar ,fibromialgia , e pode ser também devido a alta ingestão de vitamina C. Em estudo, foi descoberto que cálculos renais não estão relacionados á ingestão de vitamina C. Além de estar presente em alta concentração na maioria do legumes e frutas ,oxalatos ,a forma mineral da base conjugada do ácido axálico  ,são também subprodutos  de mofo tais como Aspergillus e penicillim e provavelmente Cândida. Se os  marcadores de leveduras e fungos estiverem elevados, uma terapia antifúgica pode reduzir o excesso de oxalatos. Os oxalatos elevados podem causar anemia. O ácido oxálico elevado  é também o resultado de envenenamento  com anti-freeze   (glicol etileno ).O ácido oxálico é o metabolito toxico do ácido tricoroacético  e outros poluentes do ambiente, alem disso, a decomposição de vitamina C pode formar oxalatos durante o transporte ou durante o armazenamento .

Os valores elevados de oxalatos com ácido glicólico podem indicar hiperoxalúria genética tipo I, enquanto o aumento de ácido glicérico pode indicar a hiperoxaluria genética tipo II. Os valores elevados de ácido oxálico, com níveis normais de metabolitos de glicérico ou glicólico descartam  a possibilidade da causa genética de oxalato elevado. Oxalato elevado pode ser derivado a um transtorno genético chamado hiperoxalúria tipo III.

Independente da fonte, o ácido oxálico elevado pode contribuir para cálculos renais e pode também reduzir o cálcio ionizado .A absorção de ácido oxálico no trato gastrointestinal  pode ser reduzido com suplementação de cálcio citrato antes das refeições .A vitamina B6, arginina ,vitamina E, sulfato de condroitina, taurina, selênio, ácidos graxos  ômega 3 e /ou N-acetil de glucosamina podem também reduzir os oxalatos e /ou a sua toxidade. A  gordura excessiva na dieta pode  aumentar  os níveis de oxalatos caso os ácidos graxos  forem mal absorvidos por causa da deficiência de sal na bile. Os ácidos graxos não absorvidos e se ligam ao cálcio para forma sabão  insolúvel reduzindo habilidade do cálcio de se ligar ao oxalato e aumentando  a sua absorção. Se a taurina estiver no perfil de aminoacidos  no plasma,a suplementação  com taurina  ( 1000mg/dia ) pode  ajudar a estimular a bile a produzir mais sal  (ácido tauracolico), levando   a suplementação com taurina a estimular a bile a produzir mais sal (ácido tauracólico ),levando a uma absorção melhor de ácidos graxos e diminuição da absorção de oxalato . 

Os níveis elevados de oxalatos são bem comuns no autismo. A mal absorção de gorduras e a proliferação de leveduras são provavelmente as causas mais prováveis na elevação de oxalato nesse transtorno. Para descartar possibilidade de doenças genéticas em pessoas com marcadores bioquímicos característicos de transtornos genéticos  de oxalatos anormalmente altos, siga os seguintes passos : (1)Siga os passos nutricionais  indicados nessa interpretação  por um mês (2)Se houver Cândida presente ,trate a cândida por pelo menos um mês:(3) Repita os exames de ácidos orgânicos após ficar  sem tomar vitamina c por 48 horas : (4) Se os marcadores  bioquímicos característicos  de transtornos genéticos de oxalatos estiverem ainda elevados  no exame que foi repetido ,considere fazer um exame de DNA.

O tecido ósseo tende a ser o deposito principal para o excesso  de oxalatos em pacientes com hiperoxalúria  primária  , os níveis e oxalato ósseos são muito mas baixos em indivíduos saudáveis.  

Os oxalatos também podem ser depositados nos rins , articulações ,olhos ,músculos ,cérebro  e coração ,contribuindo para dores musculares e fibromialgia. A formação de cristais de oxalato nos olhos podem ser a causa das dores severas que  pessoas com autismo sentem. Os oxalatos elevados a nível gastrointestinal também podem reduzir significantemente absorção de minerais essenciais tais como cálcio ,magnésio ,zinco e outros .

Uma dieta baixa  em oxalatos pode servir para reduzir os níveis de oxalatos ainda que existam casos onde a disbiose é a maior causa de permanência  de oxalatos no organismo  .Os alimentos que contêm  altos níveis de oxalatos incluem ;espinafre ,chocolate ,soja ,amêndoas ,entre outros .Uma lista  completa  de alimentos contendo oxalatos pode ser encontrada  em  Http://www.autismoinfantil .com.br/alimentos-ricos -em-oxalatos .html.

Ácido succinico  elevado pode indicar uma deficiência relativa  de riboflavina  e ou coenzima  Q10 as quais são  necessárias para suprir cofatores para desidroginase  succinica  no  ciclo de Krebs . Sugerimos a suplementação com riboflavina e coezima Q10 . A observação  clinica  sugere  que os níveis  de acido succinico também diminuem após o tratamento da disbiose intestinal .

Os ácidos 30 metil  glutárico e/ou 3-metil glutacônicos elevados podem ser devido a capacidade reduzida de metabolizar o aminoácido leucina .Essa anormalidade é encontrada em doença genética  de acidúrica e em transtornos  mitocondriais  em que existem deficiências severas  dos complexos da cadeia respiratória (complexo I , NADH ubiquinona oxido -redutase e complexo IV, citocromo c-oxidase) pequenas elevações podem ser devido a danos da função mitocondrial  e podem responder a suplementação para suporte mitocondrial. Resultados típicos encontrados em defeitos genéticos mostram níveis acima de 10 mmol/mol por creatinina e também em algumas condições  não genéticas como gestação e insuficiência renal podem reduzir  a elevação desses ácidos orgânicos na urina, para confirmação da doença genética necessita de exames de enzima e/ou testa  de DNA. Múltiplos defeitos genéticos podem causar anormalidades bioquímica. A confirmação do transtorno mitocondrial  geralmente  requer biopsia  do tecido muscular para exame mitocondrial. Sintomas podem ser diferentes em transtornos  diferentes, mas em casos severos pode incluir atraso na fala, atraso no desenvolvimento motor  e mental, acidose metabólica, aumento do tônus muscular (distonia), espasmos e fraqueza nos braços e pernas (quadriparesia espástica). Recomendações podem incluir suplementação  com coenzima Q-10, NAD , L-carnitina  e acetil -L-carnitina , riboflavina, nicotinamida, biotina e vitamina   E.

Nível de HVA abaixo da média pode indicar baixa transmissão de neurotransmissores dopamina , talvez devido a baixa ingestão de precursores dos aminoácidos fenilalanina  ou tirosina. O ácido   Homovanilico é um metabolito  do neurotransmissor dopamina. A suplementação com fenilalanina ou tirosina pode ser benéfica. Os cofatores enzimáticos como magnésio , vitamina b 6 (piridoxina) ou biopterina também podem estar deficientes. Os níveis de neurotransmissores podem aumentar com a suplementação destes cofatores, caso os mesmos tiverem deficientes .

Àcido  quinolinico  elevado pode ser um sinal de intoxicação neural ou inflamação. O ácido    quinolinico é um acido orgânico derivado do aminoácido triptofano e é neurotóxico em concentrações   elevadas. Como um estimulante exotóxico de certas células cerebrais que contêm receptores  do tipo NMDA, os níveis altos de ácido quinolinico podem causar  morte das células cerebrais por estimulação continua . A intoxicação  cerebral causada por ácido quinolinico tem  sido implicada com doença de Alzheimer , autismo, doença de Huntington, AVC, depressão, demência associada ao HIV e esquizofrenia . Os altos níveis de ácido quinolínico  podem inibir as contrações cardíaca e causar peroxidação lipídica no cérebro. O nível de ácido quinolínico também está bastante  relacionado ao grau de severidade de artrite .

O ácido quinolinico é também é um  quelante de metais pesados e inibe as enzimas necessárias para produção endógena de  glicose  . A estimulação   imunológica excessiva e a inflamação crônica  resultam em super produção de citocinas como interferon, que estimulam  a produção  de ácido  quinolinico. O àcido  quinolico é um intermediário importante na formação  de cofatores nutricionais essências como o NAD (nicotinamida adenina dinucleotideo ), o qual é também  erivado da niacina (B3). Os ftalatos inibem a conversão ácido quinolinico para NAD. 

O tratamento para níveis excessivos de acida quinolinico pode ser feito através de diferentes abordagens : Redução de suplementação de triptofano, redução de infecções repetitivas  e subsequente estimulação pelo uso de colostro, fatores  de transferência e probioticos, redução do uso de moduladores imunológicos como interferon  que aumenta  a produção  de ácido quinolinico ou redução do numero de vacinas  aplicadas de uma só vez ou o aumento do intervelo entre as vacinas. Alêm disso, o medicamento Deprenil ou os suplementos de carnitina, melatonina,  capsaicina, turmérico (curcumina) e alho podem reduzir o dano cerebral causado pelo ácido quinolínico. A Niacina  (ácido nicótinico) e niacinamida podem também reduzir  o dano cerebral causado pelo àcido quinolínico.  A niacina (ácido nicotínico) niacinamida  podem também  reduzir a produção de ácido quinolinico diminuíndo a quebra do triptofano para as vias do ácido quinolinico. O Hexaniacinato de inositol na dosagem de 100-1000 mg (em adultos )não causa o flush de niacina.

Ácidos 3-hidroxibutirico e /ou acetoacético elevados indicam um aumento na utilização  metabólica de ácido graxos associados com diabetes mellitus, jejum ou dieta alimentares ( cetogênicas  ou sem carboidrato ), ou sintomas tais como náusea  ou gripe, entre  outras a suplementação com L-carnitina pode ser  benéfica .

Àcido piridoxilico ( B6) abaixo  da média pode ser associado com condições de sáude não satisfatória (baixa ingestão ,mal absorção ,ou disbiose ). A suplementação com vitamina B6 ( pode ser benéfica .

O Acido glutarico elevado pode ser resultante de acidentes na realização de exercício físico, defeito da oxidação de ácidos graxos, deficiências de riboflavina ( vitamina B2), ingestão de triglicerídeos  de cadeia média (TCM), efeitos metabólicos do ácido valpróico e doença celíaca. Os transtornos genéticos  são geralmente diagnosticados em crianças mas ocasionalmente podem ser diagnósticada também em adultos  A probabilidade  de uma doença genética é maior quando os valores excedem 10mmol/ mol. Esse composto pode estar elevado em aproximadamente 10% das crianças autistas. De modo geral, a suplementação de riboflavina e de coezima Q-10 podem auxiliar .

A acidemia glutarica tipo I é associada a elevação  do ácido 3-hidroxiglutárico e do ácido glutacônico, os níveis normais de ácido 3-hidroxiglutárico reduzem consideravelmente a possibilidade de acidemia  glutárica  tipo I. Essa doença é associada com sintomas clínicos variados que incluem encefalopatias e anormalidades neurológicas. O tratamento desse transtorno genético inclui dietas especiais reduzidas nos aminoácidos lisina e carnitina .

A acidemia  glutárica tipo II, também conhecida como deficiência de acetil-coA desidrogenase é causada por defeito em uma das proteínas de transporte de eletrodos na mitocôndria  e é associada com convulsões, paranóica, hipoglicemia e transtorno do desenvolvimento. Essa condição também pode apresentar elevações do ácido 2-hidroxiglutárico assim como isovaleriglinina, ácidos metilmalônico, metilsuccinico, adipico, subérico  e sebácico .

O àcido 2-hidroxihipúrico elevado pode  acomular -se apôs o consumo de aspartame (adoçante artificial) ou salicitos (aspirina), ou pode ser formado pela converção dos aminoácidos tirosina ou fenilalinina no ácido salicílico pela via intestinal. O ácido 2-hidroxihipurico é conjugado do ácido hidroxibenzoico (isômero do ácido salicílico ).

Valores abaixos de citramálico , 2-hidroxifenilácetico, 4 - Hidroxi fenil ácetico, 4-hidroxi benzóico ,4-hidroxihippúrico, 3-indoleacético, glicérico, oxálico, lático, pirúvico, 2-hidroxi butírico ,fumárico, málico, acotiníco, quinolinico, quinorênico, timina, etilmalônico, metil succínico, adípico, subérico, glutárico, 3-hidroxi -3-metilglutarico, metil cítrico ou orótico não tem nenhum  significado clínico conhecido até o momento.

 


Valores baixos para os metabólitos de aminoácidos podem indicar ausência de transtornos genéticos no metabolismo de aminoácidos.Estes indicadores são subprodutos que são elevados somente quando uma enzima essencial tem atividade baixa  e as elevações leves podem indicar uma variação genética ou uma condição heterozigota que pode ser mitigada com dieta ou com suplementos. Os níveis baixos não estão associados com o consumo inadequado de proteínas e não foi demonstrado que indiquem deficiências especificas  de aminoácidos .

Mais informações sobre medicina ortomolecular e teste dos ácidos orgânicos tel: 21-34398999 ( Clínica Higashi Rio de Janeiro) ou 43-33238744 ( Clínica Higashi Londrina).

Produzido por: Clínica Higashi - Educação e Pesquisa