• Rio de Janeiro/RJ: (21) 3439-8999
  • Londrina/PR: (43) 3323-8744
Compartilhe:

Tratamento Ortomolecular para a Depressão

Na nutrologia e ortomolecular é investigado desequilíbrios bioquímicos e fisiológicos que contribuem para os transtornos do humor.

 

depressão.png

 

 

Deficiências nutricionais podem ser resultado de má alimentação ou má absorção no intestino, afetando tanto o humor quanto a saúde  global. O aumento dramático na depressão pode ser resultado de uma alimentação rica em produtos excessivamente refinados e de alimentos processados. O teste de ácidos orgânico detecta deficiências nutricionais subjacentes, metabolismo de aminoácidos de neurotransmissores e níveis microbianos que podem causar depressão. O suplemento nutricional N-Acetil Cisteina (NAC) ,por exemplo, melhorou significativamente a depressão avaliados através da escala de depressão , Montgomery Asberg Depression Raing Scale (MAADRS), e de uma série de outras medidas em pacientes depressivos. As melhorias foram perdidas quando os pacientes pararam de utilizar o NAC.

Saúde Gastrointestinai: Quanto mais as toxinas e alérgenos alimentares entram na corrente sanguínea, mais fraco fica o sistema imunológico e mais doente você se sente. Quando a toxina da cândida, o acetaldeido, reage com o neurotransmissor dopamina, pode causar distúrbios mentais e emocionais, tais como, ansiedade, depressão, má  concentração e sentimento de ficar "aéreo". Testes como o do ácidos orgânicos poderá demonstrar níveis de cândida no paciente. 

Neurotransmissores e vitaminas do Complexo B: O teste de ácidos orgânicos (OAT) mensura também os metabólitos de neurotransmissores noradrenalina, dopamina e serotonina, bem como as vitaminas C e B6, cofatores importantes na produção de neurotransmissores. O teste de ácidos orgânicos inclui um metabólito bacteriano importante (HPHPA) ,que cria excesso de dopamina e está associado com a esquizofrenia, transtorno obsessivo compulsivo, hiperatividade, depressão e fadiga crônica

O teste de aminoácidos, por exemplo, mensura neurotransmissores que podem levar a transtornos alimentares e a depressão. A suplementação com ácido fólico (uma ocorrência natural de vitaminas do complexo B) pode ajudar a reduzir os sintomas depressivos, quando bem indicado.

Equilíbrio de Cobre/Zinco:  Zinco baixo é associado com depressão e anorexia. O cobre é necessário para a síntese  da norepinefrina e da dopamina, neurotransmissores que são essenciais para a saúde  mental. Níveis baixos de cobre no sangue podem levar sintomas depressivos, quando anormalmente elevados têm sido associados com agressividade, paranoia e ansiedade.

Alérgias Alimentares e Opiáceos: Pesquisas apoiam que a sensibilidades à alimentos e à químicos podem contribuir para sintomas de depressão, esquizofrenia e outros distúrbios mentais. O teste de alergias alimentarar tardia do tipo IgG determina as sensibilidades alimentares que podem se manifestar com sintomas neurológicos , gastrointestinais e problemas de comportamento (em oposição aos sintomas de prurido e espirros do IgE). Os sintomas podem ocorrer horas ou dias após o alimento agressor ser ingerido. Além disso, quando os alimentos, tais como, caseína  (leite ) e o glúten (trigo) são digeridos, eles podem converter-se em opiáceos em alguns pacientes, que podem ser detectados pelo teste de peptídeos de  glúten/caseína. Estes opiáceos podem influenciar o humor e as habilidades cognitivas.

Ácidos Graxos Essenciais: 60% do cérebro humano é composto de gordura, e o ômega-3 é o ácido graxo de escolha para a estrutura de certas partes das células da membrana do cérebro  e de conecções nervosas intercelular. A falta de ômega-3 na dieta, força as  células cerebrais a utilizar outros ácidos graxos disponíveis, resultando na construção de células com material inferior, sendo associado com transtornos cognitivos e emocionais. O exame completo de ácidos graxos é um excelente meio de determinar se existe tal deficiência .

Evidências epidemiológicas e de tratamento, sugerem que os ácidos graxos ômega-3 podem desempenhar um papel importante na prevenção e melhora de distúrbios de humor, particularmente  a depressão. A eficácia  da suplementação do ômega-3 na depressão é demonstrado em pesquisas epidemiológicos que avaliaram a associação entre depressão e o consumo de frutos do mar, observando-se uma associação inversa estatisticamente significativa.

Colesterol:  Ele é essencial para a produção de mielina no cérebro, baixo colesterol pode impedir a produção de hormônios sexuais e dos hormônios das suprarrenais e é prevalente em pacientes com depressão e transtorno bipolar. Os indivíduos que  têm  problemas de abuso de substâncias do tipos vastatinas ( ex; liptor e etc) são mais propensos à depressão e deficit cognitivo.

Nível baixo de colesterol sérico, pode ser associado a mal humor e posteriormente, a um risco acrescido de tratamento hospitalar por depressão e ideação suicida. A medição do colesterol total no soro, através do perfil avançado pode ser útil para o médico na busca de reconhecimento de fatores de risco da piora ou recaída da depressão.  

Hormônios: A função do hormônio  da  tireóide é importante compreender a importância do iodo, que pode ser medido no mineralograma  capilar. Pesquisas evidenciam que a atividade tireoidiana baixa e níveis baixos de vitamina D contribuem para o início da depressão e outros distúrbios do humor. O teste de vitamina D é importante para assegurar que o paciente mantenha níveis adequados desta vitamina que agora é reconhecida como um hormônio.

Exposição Tóxica Ambiental: A exposição, mesmo em pequenas quantidades de chumbo e mercúrio, está associada com o aumento da hiperatividade, depressão, atividade criminal e ataques de pânico. Realizar testes de triagem para todos os metais  tóxicos comuns, incluindo chumbo, bem como, para elementos essenciais pode ser de grande valia para prevenção de doenças e qualidade de vida. Alguns elementos tóxicos , tais como organofosfatos, benzeno, tolueno entre outros, podem prejudicar a função cerebral e causar transtornos neuro-psiquiátricos.

 

TESTES ÚTEIS NA NUTROLOGIA / ORTOMOLECULAR  PARA PACIENTES COM TRANSTORNO DO HUMOR

 

  • Teste de ácidos orgânicos
  • Aminoácidos na urina / Plasma
  • Teste de intolerância alimentar IgG com cândida
  • Teste de peptídeos de glúten e caseína
  • Perfil de Ácidos Graxos Essenciais
  • Painel Avançado de Colesterol
  • Mineralograma Capilar
  • Teste de Metais Pesados na Urina
  • Teste de Vitamina D
  • Coprológico completo
  • Perfil de Cobre / Zinco
  • Dosagens hormonais

 

 

 

Mais informações tel: 21-34398999 (Clínica Higashi Rio de Janeiro) ou 43-33238744 ( Clínica Higashi Londrina).