Serviços

Medicina no Exercicio e Esporte

Programa de Nutrologia Esportiva e Medicina no Exercício e Esporte 

A história da medicina e a nutrologia no esporte começa na Grécia antiga e vai até o o futuro próximo no Brasil, Rio de Janeiro. Naquela época, no início, os atletas consumiam enormes quantidade de carnes logo antes da competição com o objetivo do aumento da força e massa muscular, hoje a nutrologia esportiva e a medicina no esporte evoluiram muito para prolongar a vida do esportista ou atleta, melhorar a performance e rendimento de atletas profissionais e amadores. A adequação de nutrientes e hormônios em quantidade, qualidade e harmonia, influência muito na capacidade de rendimento físico do esportista.




Definições:
  1. Atividade Física: tem sido definida como qualquer movimento corporal produzido pela musculatura esquelética que resulte em dispêndio de energia.
  2. Exercício: é uma forma de atividade física definida como estruturada, planejada por movimentos  corporais com consequente melhora ou manutenção da aptidão física.
  3. Aptidão Física: É um conjunto de atributos que a pessoa possui ou adquire configurando a habilidade da performance física.

nutrologia esportiva rio de janeiro.jpg

Tipo de Modalidade Esportiva na Avaliação da Nutrologia Esportiva e Medicina no Esporte 

Pela metodologia do treinamento esportivo, esportes diferentes têm aspectos bioenergéticos diferentes ( ex: levantamento de peso x natação de fundo), dentro de um programa médico de nutrologia esportiva cada modalidade de esporte deve ter sua necessidades bioenergéticas ajustadas para melhora da performance física.

A intensidade do exercício é particularmente importante para determinar qual substrato será utilizado para a contração muscular.

Exercícios de alta intensidade e curta duração ( ex: halterofilismo, velocista de 100 metros), utilizam a via anaeróbica para geração de ATP. Como o oxigênio não está disponível pela via anaeróbica, apenas a glicose e o glicogênio podem ser utilizados para gerar energia em forma de ATP, ou seja, quebra do ATP para liberar energia. O organismo  porém pode ressintetizar o ATP através da combinação do produto da sua quebra em ADP com um fosfato de alta energia proveniente da fosfocreatina. Quando o glicogênio é utilizado anaerobicamente, sua taxa de utilização é 18 a 19 vezes mais rápida do que quando utilizada aerobicamente. Pessoas submetidas a treinos de alta intensidade podem depletar os estoques de glicogênio muscular antes do término da atividade devido à sua alta utilização levando a fadiga, a nutrologia esportiva tem o papel de corrigir e otimizar o processo de liberação de energia aneróbica.

Exercícios de intensidade baixa a moderada intesidade (ex: caminhadas longas, jogging, ciclismo e dança aeróbica) são completamente abastecidos pela via aeróbia. A via aeróbica também pode fornecer ATP através da metabolização das gorduras e proteínas. O processo de quebra de gordura para geração de ATP é chamado em termos médicos e nutrológicos de beta-oxidação de àcidos graxos derivados da lipólise. Na via aeróbica as proteínas também podem ser utilizados para geração de ATP (energia) em um processo bioquimico conhecido como catabolização das proteinas em acetil-CoA. O metabolismo aeróbico é limitado pela disponibilidade de substratos e coenzimas. Na nutrologia Esportiva o aumento da resistência ao exercício aeróbico poe ser otimizado.

Existem modalidade esportivas que utilizam tanto a via anaeróbica quanto a via aeróbica como o tênis por exemplo, no momento do saque ou um sprint para pegar uma bola pode exigir a via anaeróbica embora em certos momentos utilize a via aeróbica de menor intensidade para simplesmente defender um saque. Outro exemplo de modalidade esportiva que combina aeróbico como aneróbico é o futebol, pois em certos momentos é necessário o sprint ( anaeróbico) para ir em direção ao gol, embora certos momentos é necessário somente acompanhar a bola com um corrida leve (aeróbico). O médico, o nutrólogo do esporte poderá avaliar como disponibilizar estes substratos corretamente dependendo da sua modalidade esportiva.

Resultados possíveis com a Nutrologia Esportiva:

  1. Diminuição do risco de doenças da idade
  2. Aumento da vitalidade física e sexual
  3. Melhora da memória
  4. Melhora do sono
  5. Aumento do tônus muscular
  6. Perda de gordura corporal
  7. Melhora da performance esportiva
obs: não existe garantia de resultado pois todo tratamento médico depende da variabilidade genética bioquimica individual além do empenho do paciente em seguir as orientações de maneira correta.

medicina do esporte e nutrologia esportiva.jpg


Componentes do programa de nutrologia esportiva na medicina esportiva:

  1. Plano alimentar personalizado
  2. Suplementos esportivos
  3. Terapia hormonal (quando clinicamente e laboratorilamente indicado)
  4. Plano de exercício simplificado
  5. Prescrição de medicação (quando indicado)
  6. Acompanhamento das mudanças físicas e laboratoriais do paciente
  7. Suporte da Equipe da Clínica Higashi ( horário comercial) de dúvidas por email e/ou telefone (este suporte não visa substituir a consulta médica somente útil para pequenas dúvidas).
  8. Avaliação Física Corporal na Nutrologia Esportiva e Medicina do Esporte

As dimensões corporais do atletas, refletem a a boa forma do atleta tanto em proporcionalidade como na sua composição corporal muscular e de gordura, e são determinantes do potencial para o sucesso na carreira esportiva.

É denominado de antropometria a medida do tamanho e proporção do corpo humano, para cada modalidade esportiva existem um nível ótimo de peso, massa magra, massa de gordura, altura, índice de massa corporal (IMC), dobras de gordura subcutânea, circunferências corporais, diâmetros ósseos, ou seja, todos essas medidas são avaliados no programa de nutrologia esportiva da Clínica Higashi.

antropometria na nutrologia esportiva 2.png

Exames para a avaliação corporal e performance do esportista na Nutrologia Esportiva e Medicina do Esporte
 
Bioimpedanciometria (BIA)
A BIA é uma técnica através de aparelho que faz a avaliação coporal não invasiva da % de gordura, massa de gordura, massa muscular, % de água corporal, % de aguá na massa magra. A bioimpedanciometria utiliza a condutividade elétrica corporal para distinguir massa muscular e massa de gordura corporal, quando a bioimpedanciometria é um equipamento do tipo multifrequência ele é capaz de medir a composição corporal de todos os segmentos corporais e também é mais fidedigna em relação aos aparelhos de monofreqüência. O programa de nutrologia esportiva da Clínica Higashi utiliza a bioimpedanciometria do tipo multifrequência.

Mecanismo de medição da Bioimpedanciometria Multisegmentada
bioimpedanciometria na nutrologia esportiva rio de janeiro.png



Calorimetria Indireta
É um exame que mede o gasto energético humano basal conhecido como Taxa Metabólica em Repouso, através da determinação do consumo de oxigênio e produção de dióxido de  carbono pelo corpo humano durante certo período.?A Taxa Metabólica em Repouso é a medida de quanto alimento, ou energia, é necessária para manter as funções básicas do corpo como batimentos cardíacos, respiração e manutenção do calor do corpo enquanto você está em um estado de repouso. Esta energia é expressa em calorias por dia. Assim, uma medida da Taxa Metabólica em Repouso mostra quantas calorias você queima em repouso, fazendo nada mais do que ficar sentado em uma cadeira. Apartir da medição da Taxa Metabólica em repouso pode-se dizer se seu metabolismo é lento, rápido ou normal, além de fornecer informação sobre a quantidade de calorias necessárias para o funcionamento de suas funções fisiológicas básicas. O programa de nutrologia esportiva da Clínica Higashi utiliza a Calorimetria Indireta para elaborar plano alimentar personalizado para melhora da performance esportiva, além de ajudar com informações úteis para perda de gordura e aumento de massa muscular.

Exame de calorimetria indireta
calorimetria rio de janeiro.png



Exame Nerve-Express
É um sistema computadorizado não invasivo para quantificar o Sistema Nervoso Autônomo (Sistema Simpático x Sistema Parasimpático) e o indice da Variabilidade da Frequência Cardiaca. 

Sistema Nervoso Autônomo Simpático é o sistema responsável por acionar nossa sistema  de reação a uma situação de estresse, controla nossa reação "Fight or Flight" aumentando nossa pressão, frequencia cardiaca, fluxo de sangue nos músculos, já o Sistema Nervoso Parasimpático é o sistema que conserva nossa energia. No esportista o Sistema Nervoso Autônomo Simpático e Parasimpático devem estar equilíbrio para melhora da performance. 

A medição do Sistema Nervoso Autônomo e o indice da Variabilidade da Frequência Cardiaca através da tecnologia do nerve-express é um exame eficaz para avaliar estado de overtrainning e reserva energética para o exercício físico. O Nerve-Express tem sido usado em atletas para avaliar o condicionamento de atletas olímpicos.

Exame do Nervo Express antes do tratamento mostrava atleta em overtrainning 
sistema nervoso autonomo 1.jpg


Exame Nervo Express após tratamento houve melhora significativa da variabilidade cardiaca e sistema nervoso autônomo (ponto amarelo próximo a cor azul). Quando mais próximo do azul melhor a performance física do atleta.


Avaliação Nutroterápica na Nutrologia Esportiva e Medicina no Esporte
sistema nervoso autonomo 2.jpg

A avaliação do plano alimentar habitual do esportista ou atleta identifica as inadequações energéticas e/ou de macronutrientes diante da exigência dos treinos e/ou competições.  O programa de Nutrologia Esportiva da Clínica Higashi readequa a quantidade, qualidade e harmonia da alimentação do atleta ou esportista, visando o bom desempenho esportivo.

O estudo do plano alimentar do esportista no programa de Nutrologia Esportiva da Clínica Higashi utiliza o software da Associação Brasileira de Nutrologia ( ABRAN).


plano alimentar.png


Avaliação Bioquímica e Hormonal na Nutrologia Esportiva e Medicina no Esporte

Os marcadores bioquímicos podem ajudar na avaliação funcional do rendimento físico do esportista. A depleção de vitaminas, minerais e queda de hormônios que regulam a atividade anabólica muscular, podem refletir o estado nutrológico em desequilíbrio com a demanda esportiva.

É estabelecido que a diminuição e consequente  deficiência de vitaminas e minerais afeta o desempenho físico do atleta. Atletas envolvidos em treinamento intenso podem necessitar de algumas vitaminas  envolvidas na produção de ATP tais como vitamina B1, B2, B6 entre outras.

Algumas modalidade esportivas exigem suplementos voltados para a Hipertrofia Muscular, nesta categoria podemos citar o B-hidroxi-B-Metil-Butirato (HMB), os pró-hormônios, os aminoácidos de cadeia ramificada (BCCA), os aminoácidos essenciais, a glutamina, as proteínas, os pós-hipercalóricos/e ou barras e bebidas fortificadas com proteínas e outros substâncias.

Os hormônios anabolizantes (ex: hormônio do crescimento, somatomedinas, DHEA, testosterona e insulina são importantes para a síntese proteica muscular. As concentrações basais dos hormônio anabolizantes e catabolizantes, permitem avaliar o balanço anabólico (ganho de massa muscular)/ catabólico (perda de massa muscular) no qual encontra-se o atleta. Elevações do catabolismo indicam depleção protéica muscular com consequente queda do rendimento esportivo. No programa de Nutrologia Esportiva e Medicina no Esporte da Clínica Higashi o equilíbrio dos hormônios anabólicos e catabólicos são estudados para melhor rendimento do esportista.

90246256.jpg
Tratamento Nutrológico para a Nutrologia Esportiva e Medicina no Esporte

A estudo nutrológico no esporte e consequente tratamento personalizado pode otimizar o desempenho físico durante os treinos e competições. Além de ajudar a prevenir lesões, melhora a recuperação pós-exercício, mantém o peso corporal adequado e promove qualidade de vida.


Para mais informações sobre o Programa de Nutrologia Esportiva e Medicina do Esporte ligar para Clínica Higashi Rio de Janeiro no telefone 21-34398999 e Londrina 43-33238744.